NotíciasTodas

Produção de polipropileno (PP) está diminuindo em países da América Latina

Polipropilen

A produção de polipropileno (PP) em alguns países da América Latina está diminuindo com o baixo consumo de combustível de consumidores que forçaram as refinarias a parar ou operar a taxas operacionais reduzidas.
Em vários países, as refinarias são a principal fonte de propileno e as taxas mais baixas estão impactando a produção de PP.
Na Argentina, as duas plantas de PP no país são alimentadas com propeno de refinarias adjacentes que reduziram a produção.
No Chile, a ENAP possui duas refinarias e parou recentemente a refinaria de Talcahuano, que é o principal alimento de propeno para a planta de Petroquim PP.
A outra refinaria está funcionando, mas o propileno deve ser transportado de caminhão da área de Valparaíso para a área de Concepcion, onde a planta de PP está localizada. As importações de propileno não são economicamente viáveis para países localizados no sul da Argentina e Chile.
A produção no Chile caiu quase 50%, segundo fontes locais.
Os preços subiram na Argentina em junho e devem subir novamente em julho, se as propostas de aumento em andamento forem mantidas.
Fontes de compradores afirmam que os preços subiram mais do que a fraca demanda existente pode justificar, mas a realidade é que a disponibilidade de PP aumentou consideravelmente.
Isso deve ser uma bonança para os vendedores de produtos importados do Brasil e da Colômbia, mas essas transações agora são mais complicadas porque os importadores devem obter seus acordos aprovados pelo governo primeiro e a papelada atrasa as transações e acrescenta custos.
Como ocorreu com o polietileno (PE), a demanda de PP aumentou gradualmente em junho para os mercados essenciais relacionados à saúde (fibras) e alimentos (BOPP). Os mercados de injeção de bazar estão com baixa demanda e o setor automotivo teve um pequeno retorno sobre a demanda, juntamente com baldes e tubos, mas permanece em baixa.
Há uma incerteza renovada em julho, porque as infecções por coronavírus aumentaram no Chile e na Argentina à medida que os bloqueios foram relaxados, mas agora as medidas foram reforçadas novamente nos dois países.
O mercado de copolímeros é muito apertado na Argentina. O Chile não produz esse grau. As exportações de PP estão em declínio nos dois países devido à escassa disponibilidade de material.
Saudações,
Caetano Pinter – POLIREX RESINAS/RUBBERON